5 Estratégias para você usar em 5 Redes Sociais diferentes

5 Estratégias para você usar em 5 Redes Sociais diferentes



5 Estratégias para você usar em 5 Redes Sociais diferentes

Todo pequeno ou grande negócio precisa estar nas redes sociais se quiser ter uma relação mais próxima com seus clientes e potenciais consumidores. As redes sociais concentram grande parte da força de compra do país e trabalhar com estratégias eficientes voltadas para cada canal é o segredo para se obter o sucesso.

5 estratégias para você usar em 5 redes sociais diferentes

Por ter uma forma barata de promover um negócio, muitos empreendedores e profissionais inexperientes no marketing digital acabam desenvolvendo estratégias errôneas e que não surtem efeito, desperdiçando tempo e recursos. Caso você tenha alguma dificuldade em utilizar as redes sociais a favor do seu negócio ou da empresa que você trabalha, nós separamos 5 estratégias em 5 diferentes redes sociais para você utilizar.

Facebook – Publique pequenos vídeos
Com a chegada dos vídeos ao Facebook, estratégias que utilizam este recurso tem obtido bastante sucesso. Crie um pequeno vídeo sobre o seu produto ou explicando como o seu serviço é oferecido. Você pode também utilizar uma estratégia de marketing de conteúdo e criar um tutorial em vídeo ou uma pequena apresentação que pode ajudar seus clientes e potenciais consumidores.

Twitter – Utilize assuntos do momento
Aproveite dos assuntos mais comentados e que tenham algum tipo de ligação com a sua marca para promover um produto ou serviço. Por utilizar de um assunto popular, você pode impulsionar seus tweets e ser visto como uma empresa moderna pelos usuários.

Instagram – Utilize as propagandas
Com a recém-chegada das postagens patrocinadas no Instagram, os preços ainda estão baixos e você pode se beneficiar da plataforma para criar anúncios que levem os usuários ao seu site. Faça isso com promoções impactantes e aproveite do foco que o Instagram dá para suas postagens na rede social.

Snapchat – Trabalhe com conteúdo
O Snapchat é uma ótima forma de você fazer marketing de conteúdo ou se comunicar com seus clientes em vídeo. Crie pequenos vídeos informando sobre novidades de sua loja ou e-commerce, produtos que estão em alta ou que acabaram de chegar. Você também pode oferecer um conjunto de dicas semanais sobre como os seus clientes podem usar seus produtos.

WhatsApp – Tenha um SAC rápido e eficiente
O WhatsApp é uma aplicativo muito popular e pode ajudar você a se comunicar melhor com seus clientes. Utilize ele como uma ferramenta de SAC para que você não perca tempo com telefonemas tediosos. Tenha como objetivo atender rapidamente seus clientes e fazer isso de maneira eficiente e moderna. Você pode utilizar a ferramenta em seu navegador para agilizar esse processo.


VEM EMPREENDER COM A GENTE - CLIQUE AQUI!
Como fazer um atendimento personalizado?

Como fazer um atendimento personalizado?



Como fazer um atendimento personalizado?

Apesar de ser altamente valorizado pelos consumidores, um bom atendimento é passado despercebido por muitas empresas. Algumas conseguem bons resultados neste sentido, mas apenas quando os atendimentos são realizados de maneiras superficiais, sendo que quando é preciso um atendimento mais profundo, a empresa se perde em burocracia e falta de preparação.

Como fazer um atendimento personalizado?

Realizar um bom atendimento do início ao fim, do prospect ao pós-venda já não é mais o suficiente. Isso mostra como as empresas brasileiras, no geral, estão atrasadas em oferecer um bom relacionamento com seus clientes.

Atualmente é necessário investir em atendimento personalizado, onde o consumidor possa se sentir como um cliente importante para a empresa. Mas como fazer um atendimento personalizado? Abaixo seguem algumas sugestões para você implementar na sua empresa.

Utilize e-mails e redes sociais
É muito mais fácil realizar um atendimento personalizado na internet. Nas redes sociais, por exemplo, o atendente possui várias informações do consumidor, mesmo que ele nunca tenha feito negócio com a empresa. Assim, utilizar o nome e uma linguagem coerente com a idade do cliente e o perfil da empresa são tarefas muito mais simples. O mesmo vale para respostas via e-mail.

Não se transforme em um call center
Não deixe que o atendimento de sua empresa seja como em um call center. Encare os atendimentos muito mais do que apenas números em um relatório. Eles precisam ser encarados de maneira individual, mesmo que sejam em grande quantidade. Isso inclui levar em conta e respeitar o tempo dos consumidores e encarar suas solicitações e problemas com responsabilidade.

Tenha naturalidade no atendimento por telefone
Treine sua equipe de atendimento para que eles tenha naturalidade ao realizar o atendimento por telefone. Em alguns casos um atendimento descontraído funciona muito mais do que as tradicionais e ultrapassadas maneiras de solicitar informações aos consumidores.

Peça o feedback do atendimento
Considere a opinião de seu cliente como valiosa a respeito de como ele foi atendido. Isso fará com que ele sinta-se mais próximo da empresa.


VEM EMPREENDER COM A GENTE - CLIQUE AQUI!
5 Estratégias para a sua Empresa continuar crescendo apesar da Crise

5 Estratégias para a sua Empresa continuar crescendo apesar da Crise



5 Estratégias para a sua Empresa continuar crescendo apesar da Crise

Algumas empresas conseguem crescer mesmo diante de uma crise financeira. Isso acontece porque elas sabem se planejar e traçar metas estratégicas para driblar as dificuldades e explorar nichos e públicos que continuam sendo receptivos aos seus produtos e serviços apesar de problemas econômicos.

5 estratégias para a sua empresa continuar crescendo apesar da crise

Mesmo que a sua empresa não seja afetada por qualquer tipo de crise financeira, ela pode ter que lidar com os desafios de uma maior concorrência, variação cambial ou algum revés causada por um erro vindo de dentro de sua companhia. Seja qual for o problema, sua empresa pode continuar crescendo se houver planejamento e estratégia.

Acompanhe abaixo 5 estratégias para ajudar a sua empresa a crescer apesar da crise.

1. Investimento em marketing
Muitos empreendedores deixam de investir em marketing e em publicidade quando se deparam com uma crise. Isso é um grande erro, visto que isso desacelerará ainda mais as vendas de um negócio. O ideal é otimizar os gastos, injetando dinheiro em canais de marketing que realmente funcionam. Ou seja, não é um momento para testar novas formas de marketing ou propaganda, mas sim de destinar todo o seu orçamento nos modelos que dão certo.

2. Lance novos produtos/serviços
Se o seu produto/serviço está sendo dispensado pelos consumidores que estão com menos dinheiro no bolso, você pode optar por lançar um novo produto para eles, que seja mais barato e que mantenha certas propriedades que mantinham eles interessados. Ou você pode optar por uma outra estratégia e lançar um produto ou serviço premium, destinado aqueles que não estão sendo afetados pela crise.

3. Apostar no segmento que proporciona maior lucro
O momento de crise é hora de concentrar suas forças no que realmente traz dinheiro para a sua empresa. Concentre-se nas vendas que proporcionam maior lucro. Em muitos casos, os produtos que trazem mais lucros podem diminuir todo o esforço de vendas de sua equipe, visto que eles precisarão vender menos e ainda assim continuarão a trazer um bom dinheiro para o seu negócio.

4. Ofereça novas formas de pagamento
Talvez você não precise conquistar o seu cliente novamente em meio a crise. Tudo o que ele precisa é de um novo método de pagamento ou de maiores parcelas, que possam caber em seu bolso. Ofereça maiores prazos ou estenda o número de parcelas das compras.

5. Reduza a sua empresa
O momento de crise é hora de pensar no que não está funcionando no seu negócio. Talvez seja necessário cortar gastos, reduzir departamentos e fazer dispensas. No entanto, tome muito cuidado para não dispensar funcionários que estão envolvidos com os projetos da empresa e que realmente desejam fazer a diferença. As soluções podem sair destes funcionários. A ideia de diminuir a atuação de sua empresa é reduzir os gastos para que os lucros possam aumentar.


VEM EMPREENDER COM A GENTE - CLIQUE AQUI!
Prospectar Novos Clientes ou Fidelizar os Antigos

Prospectar Novos Clientes ou Fidelizar os Antigos



Prospectar Novos Clientes ou Fidelizar os Antigos

Muitos empresários pensam apenas em prospectar novos consumidores e esquecem que a força da sua empresa está nos clientes fiéis, que sempre retornam. Veja qual a importância de fidelizar a clientela já existente para conquistar sucesso nos negócios.

Prospectar Novos Clientes ou Fidelizar os Antigos

Prospectar novos clientes é importante, mas fidelizar os antigos é igual ou ainda mais

O que seria de uma empresa se não existissem os clientes? Com tanta concorrência no mercado, fidelizar um cliente é um desafio para muitos empresários. Como sempre digo: o sucesso de toda empresa depende do desempenho dos colaboradores, mas acima de tudo, da fidelização de sua clientela.

Concretizar uma venda é uma tarefa difícil, mas fazer com que o cliente retorne e efetue uma nova compra em seu estabelecimento é ainda mais. O bom atendimento é fator fundamental para fidelizar um cliente. Em uma loja que o consumidor é bem atendido, certamente ele irá voltar. Está aqui a importância de ter uma equipe motivada e bem estruturada, mas falaremos deste tópico em outro artigo.

Pesquisa realizada pela American Society for Quality (ASQ) aponta que os principais motivos das empresas perderem clientes são: 65 % indiferença dos atendentes; 14% reclamações não atendidas; 10% vantagens oferecidas pela concorrência; 5% mudanças de endereço ou perda de referências e 5% relações comerciais. De acordo com a Havard Business Review, 67% dos clientes que escolhem um novo fornecedor, disseram que estavam satisfeitos com o anterior. Em média, a maioria das empresas perde metade de sua base de clientes a cada cinco anos.

O empresário não pode focar apenas em proporcionar um bom atendimento ao seu cliente, precisa ter visão e buscar alternativas que fujam da mesmice. Que tal criar cadastros que não apenas forneçam os dados básicos do cliente como nome, telefone, endereço, entre outros? Acrescente um histórico de compras do consumidor, desta forma ficará mais fácil identificar quais são os produtos de interesse daquele cliente.

Agora é a hora de outra inovação. Por exemplo, se a sua empresa é do setor de confecção e no histórico de clientes, você identificou que a Joana gosta de calça jeanse, nesta semana, a sua loja fará uma liquidação de jeans. Entre em contato! Certamente ela se sentirá lembrada e importante para você e para sua loja, o que gera uma satisfação no consumidor, que fará questão de retornar ao estabelecimento para saber das novidades.

O que todo empreendedor precisa ter em mente é que a clientela gosta de ser valorizada e lembrada. Então, manter o relacionamento com o seu público é fundamental. Quem não gosta de ganhar brindes? Esta é mais uma alternativa eficaz para manter o seu cliente. Principalmente em datas importantes como: aniversário, Dia das Mães, Dia dos Pais, Natal, entre outras.

A Caixa de sugestões pode parecer uma coisa antiga. Mas muitos consumidores gostam de registrar a sua opinião sobre o estabelecimento que frequenta. É uma oportunidade para o empresário saber também qual é a visão do público a respeito do seu comércio.

Para finalizar, treine a sua equipe para atender bem ao cliente, desde a recepcionista ao entregador. A ação dos colaboradores se reflete na imagem do seu negócio. Lembre-se: o cliente é quem faz o seu negócio estar com as portas abertas, sem ele nenhuma empresa vai para frente. Por isso, invista neles. Essa é uma das chaves para o sucesso da sua empresa!


VEM EMPREENDER COM A GENTE - CLIQUE AQUI!
Storytelling – Quem conta um conto aproxima os colaboradores

Storytelling – Quem conta um conto aproxima os colaboradores



Storytelling – Quem conta um conto aproxima os colaboradores

O homem e seus ancestrais, em sua capacidade e necessidade de comunicar, sempre usou símbolos e depois a escrita para transmitir suas experiências.

Foi a partir desses antigos registros que conseguimos, ao longo de muitos anos, conhecer os principais acontecimentos que nos conduziram ao que somos hoje, pelo compartilhamento do que foi vivido, “experienciado”.

Storytelling – Quem conta um conto aproxima os colaboradores

O estudo destes registros ainda causa encantamento em muita gente, pela transmissão tanto de mitos como de fatos através de milênios. Afinal, quem nunca se pegou imaginando histórias sobre como era a vida nas cavernas ou no antigo Egito?

Como seres naturalmente comunicadores, gostamos de ouvir uma boa história e muitas vezes, de contá-las. De uma forma ou de outra, preservamos estes antigos hábitos, quando sentamos com nossos filhos para ler histórias ou contar um pouco de nossas experiências. É um processo de educação, de construção de referências.

É provavelmente por isso que o storytelling, ou simplesmente “contação de histórias”, tem chamado a atenção de cada vez mais indivíduos e empresas, principalmente quando o assunto é treinamento e desenvolvimento.

Um conceito sendo revisado

Muito utilizado nos cinemas, teatros, TV e mais recentemente em campanhas publicitárias, o storytelling também invadiu as organizações. Isso porque ele tem bons atributos, já que é uma ferramenta simples, fácil e que pode trazer bons resultados com o uso adequado e, estratégico.

O storytelling faz com que as pessoas “se reconheçam” com histórias em comum, humanizadas, integradas com a sua experiência profissional e particular, o que gera reflexão sobre conteúdos ou temas que necessitem de atenção e multiplicação.

O compartilhamento de experiências, impressões, sentimentos, é algo que agrada às pessoas, cria identidade, amplia o senso de pertencimento e, de “humanização”: vemos nas experiências dos outros coisas novas, mas muito de nossas alegrias e frustrações. Percebemos que existem histórias únicas e, comuns, compartilháveis.

Além disso, como já abordei, é um processo simples, onde não há dependência de técnicas complexas. A única exigência do processo é criar uma atmosfera em que as pessoas tenham disposição para contar e ouvir.

Uma ferramenta muito mais poderosa do que se imagina

Quando percebemos que as dimensões e “complexidades” de uma pessoa vão muito além do que vimos no ambiente profissional, o storytelling auxilia a transmitir conteúdos em forma de narrativa, dando sentido e forma a mensagem que, de outra forma, iria requerer muito mais tempo para ser compreendida.

Embora sua disseminação tenha ganhado velocidade em práticas de treinamentos, essa ferramenta também é uma boa escolha para o desenvolvimento de competências de uma forma geral e, para outros momentos como a construção de estratégias.

O processo de compartilhamento, que chamei informalmente de “humanização”, nos permite sair dos espaços de insegurança com relação a estar próximo a pessoas que talvez saibam mais do que eu sobre algum assunto, ou a insegurança pela complexidade de alguma ferramenta de gestão apresentada.

Entretanto, assim como as outras ferramentas, o storytelling também tem seus desafios, que devem ser levados em consideração pelas áreas (em geral RH) que o adotarem ou pela consultoria contratada para desenvolvê-lo no âmbito corporativo. Abaixo listo alguns deles:

  • É preciso ter foco com as estratégias e definir a metodologia apropriada. O clima deve ser de seriedade e tranquilidade entre os participantes, para que ouçam as histórias sem escárnio;
  • Evite a disseminação do storytelling de forma “panacéica”, ou seja, ele não será a resolução para todos os problemas da empresa. Saiba identificar quais são os pontos a serem melhorados e se a ferramenta é a ideal;
  • É importante compreender que pessoas diferentes têm capacidades não análogas de contar e compreender uma história. Às vezes é preciso “dar uma ajudinha” e adaptar o roteiro aos diferentes perfis, ou apoiar o esforço de compartilhar as histórias. A capacidade nem sempre está no mesmo nível do desejo

Por fim, acredito que o storytelling não substitui ou seja capaz de ser a espinha dorsal de um programa inteiro de desenvolvimento, já que este requer outras metodologias. Mas ele indubitavelmente gera valor dentro do programa e pode ser aliado a outras boas estratégias de treinamento, capacitação e motivação.

O seu uso nas empresas remete àquela máxima do “menos é mais”, já que embora seja uma ferramenta simples, costuma ser bem compreendida pelos públicos da organização e reflete em bons resultados. Pesquise e analise como sua empresa pode ser beneficiada pelo storytelling.


VEM EMPREENDER COM A GENTE - CLIQUE AQUI!
Não seja o mais Barato, seja o Melhor

Não seja o mais Barato, seja o Melhor



Não seja o mais Barato, seja o Melhor

Uma preocupação constante de alguns empreendedores é como o seu preço se situa em relação aos preços da concorrência. Depois de pesquisar um pouco eles descobrem que seus concorrentes estão levando os preços para o seu patamar mais baixo, mesmo com o sacrifício das suas margens de lucro.

É claro que ser uma opção mais em conta, é uma ótima estratégia para quem está começando, mas você precisa estar atento a alguns pontos, antes de fazer disso sua pedra fundamental.

Não seja o mais Barato, seja o Melhor

O livro Estratégia do Oceano Azul aborda esta questão com maestria logo no início da leitura, quando mostra como o Cirque du Soleil criou um mercado totalmente diferenciado no setor de entretenimento e ao mesmo tempo eliminou toda e qualquer concorrência possível.

Você não está sozinho neste jogo

No processo de precificação de produtos e serviços, as novas empresas precisam estar cientes de que podem sim ser uma opção mais barata para o público, mas não podem esquecer, que independentemente de quão barato podem oferecer seus produtos, seus concorrentes podem resolver acompanhar esse preço baixo.

As marcas já estabelecidas e geralmente com mais capital em caixa, muitas vezes estão dispostas a perder um pouco de dinheiro no curto prazo, mas tirar o novo concorrente do mercado. Por isso, evite entrar nessa guerra de preços e ao invés disso, ofereça algo melhor do que eles.

No comércio eletrônico vemos isso com frequência, principalmente em lojas que, ao invés de aproveitarem as vantagens do e-commerce de nicho, se arriscam e partem para a competição com os grandes players.

O consumidor está disposto a pagar mais por qualidade

Não seja o mais barato, seja o melhor no seu setor
Não seja o mais barato, seja o melhor no seu setor

O preço não é o único fator levado em conta na hora de optar por um determinado produto ou serviço. Nos dias de hoje, o consumidor leva cada vez mais a questão da qualidade na hora de se decidir. Portanto, não dá para ir pelo caminho do preço e deixar de lado a qualidade.

Muitos empreendedores na hora de desenvolverem seu modelo de negócio, colocam a questão do preço como parâmetro e acabam se tornando reféns desse aspecto do negócio, muitas vezes sacrificando até mesmo a qualidade.

Além disso, essa amarra acaba bloqueando a oportunidade do desenvolvimento de produtos diferenciados e inovadores. Muitas vezes, o segredo do sucesso é justamente este, um produto mais caro, mas de melhor qualidade e diferente dos outros que já estão no mercado.

Escala nem sempre é um bom negócio

Alguns empreendedores acreditam que vendendo um volume maior com uma margem de lucro menor, pode ser a melhor opção para o seu negócio, o que chamamos de economia de escala. essa fórmula funciona em algumas situações, mas uma das alternativas para um negócio de sucesso pode ser justamente subverter esta regra.

Em alguns casos, é melhor trabalhar com um volume menor de vendas e ganhar mais por venda, do que buscar um volume cada vez maior, com uma margem de lucro reduzida. É preciso fazer muita conta para decidir o que é melhor para você e para o seu modelo de negócio.

Em alguns casos é mais interessante se voltar para um segmento do mercado que possua um valor de venda e margem de lucro maior, do que se concentrar na faixa inferior de preço. O mercado de produtos de luxo é um exemplo disso. Neste segmento, o volume de vendas é bem menor, mas em compensação, as margens são altíssimas.

Outra vantagem dessa estratégia é a redução de custos indiretos, já que para um volume menor de vendas, seus custos operacionais serão proporcionalmente menores, o que afeta a margem de lucro do produto.

Quando você estiver estruturando o seu negócio, tente se desvincular da questão do preço como balizador, porque nem sempre ser o mais barato do mercado é um bom negócio. Ser o melhor é bem mais importante. Cobrar um preço mais baixo e ser apenas “mais um” é uma estratégia que já está gasta. Ser o direferencial do mercado é o melhor caminho para quem deseja montar um negócio de sucesso.


VEM EMPREENDER COM A GENTE - CLIQUE AQUI!